Isto é o Porto, carago!

Oi? Achavam que estava morto para o futebol?
Hoje, dia 21 de Janeiro de 2015, escreveu-se mais uma triste história na anedota que tem sido esta temporada. Uma, (mais uma), arbitragem vergonhosa, uma dualidade de critérios gritante e um campo mais inclinado do que a Torre de Pisa deixou o Porto em clara inferioridade. Foi um Campo Maior 2.0.

Mas, e há sempre um mas, hoje houve Porto. Aquela segunda parte foi à Porto. Foi com esta garra, com esta vontade, com esta dedicação que o Porto se tornou o Porto. E foi isto que eu me habituei a ver no Porto, no Porto do Jorge Costa, do Baía, do Paulinho Santos, do Rui Barros. Foi esta atitude, esta chama, este crer que fez do Porto o melhor clube português.

E hoje tivemos o Helton, que provou estar bem vivo depois de todos os funerais que lhe fizeram. Tivemos o Herrera, que em 30 minutos fez mais que a equipa do Braga toda junta. Tivemos o Ruben Neves que mais coxo que o Paulo Gonzo deu o que tinha e o que não tinha, com 17 anos.

Que isto seja colado no balneário. Que isto sirva para motivar a equipa. No meu Porto, depois disto, isto só pode dar em muitos títulos. Com esta atitude seremos imbatíveis. E no domingo há mais. Haverá mais um careca para lutar contra, mais três pontos para conquistar.
 
Viva o Futebol Clube do Porto! Viva o maior clube do Mundo!

Vermelhos a menos, dão vermelho a mais


Apesar do Benfica ir destacado em primeiro lugar, o campeonato nacional tem falta de vermelhos. E não, não falo da ausência do Salgueiros e do Santa Clara, mas sim da ausência de cartões vermelhos aos jogadores do Benfica.
Sem perder muito tempo, todos nos recordámos de como Enzo Perez enfiou os pitons da chuteira no pescoço de um jogador do Moreirense, com o jogo em 1-0 a favor dos Minhotos. Também todos nos recordámos do mesmo Enzo Perez, já amarelado, fazer uma entrada duríssima sobre um atleta do Estoril, que nem falta foi. Samaris derrubou por trás, de carrinho, um jogador do Arouca, sem qualquer intenção de jogar a bola, travando um contra-ataque. Levou um amarelo e um sorriso do árbitro Hugo Miguel. Talisca, num sururu perto do final do jogo em Braga, deu uma bofetada num adversário. Se se compreende que o árbitro, no meio da confusão, nada tenha visto, as imagens eram mais que suficientes para punir o atleta. Curiosamente, Talisca marcou o golo da vitória na jornada seguinte. No Dragão, aos cinco minutos de jogo e já amarelado, André Almeida pisou ostensivamente Danilo. Em Penafiel, com o Benfica a jogar mal e a vencer apenas por 1-0, Maxi Pereira é, pela enésima vez desde que joga em Portugal, poupado à expulsão. E ontem, na Madeira, com o jogo em apenas 1-0 para o Benfica, Talisca, é poupado ao segundo amarelo após pisar deliberadamente um adversário.

Analisando todos estes lances, verifica-se que:
  1. Contra o Arouca, o jogo estava empatado. O Benfica ganhou;
  2. Contra o Moreirense, o Benfica perdia. Empatou;
  3. Contra o Estoril, o Benfica vencia e, venceu. Pelo meio, o Estoril empatou e um atleta do Estoril foi bem expulso por falta sobre... Enzo Perez;
  4. Contra o Braga, o Benfica perdia, e perdeu;
  5. Contra o Porto, o jogo estava empatado. O Benfica venceu por 2-0;
  6. Em Penafiel, o Benfica vencia por 1-0 e venceu a partida por 3-0;
  7. Na Madeira, o Benfica vencia por 1-0. Venceu 4-0;
Sete jogos. Sete vermelhos perdoados ao Benfica, em sete jogos que não estavam, de todo resolvidos, no momento da benesse arbitral. Dos sete, quatro foram na primeira parte.

É por demais evidente que os vermelhos a menos estão a por vermelho a mais na frente do campeonato. O andor, este ano, é descarado. Infelizmente, a procissão já saiu do adro há algum tempo.

Para que o Futebol Clube do Porto seja campeão, terá de ser perfeito. E esperar que, a determinado momento, comece a chover e a procissão seja interrompida. O problema está na possibilidade do andor ser guardado dentro da Capela.

O Aldrabão

O Sporting prometeu, aquando do célebre caso do atraso, jogar a Taça da Liga apenas com juniores e juvenis. A excepção seriam os 5 atletas da equipa principal que constassem da ficha de jogo de um dos dois últimos jogos da equipa para o campeonato, para fazer cumprir o artigo 11º do Regulamento da Taça da Liga.

Entretanto, o presidente do Sporting, deu o dito por não dito, e anunciou, no dia 11 de Novembro de 2014 que afinal quem ia disputar a Taça da Liga era a equipa B e os juniores. Provavelmente ter-se-á apercebido da tenebrosa época das equipas de formação e tentou evitar passar vergonhas...

Equipa do Sporting que recebeu o Boavista. Fonte: ZeroZero
Sucede que nem esta promessa foi cumprida. Ontem, frente ao Boavista, nenhum jogador do plantel dos juniores foi convocado, repetindo o que acontecera em Guimarães. Mais, o Sporting utilizou mais jogadores da primeira equipa do que aqueles que necessitaria para cumprir os regulamentos. De facto, Tanaka, Boeck, Miguel Lopes, Naby Sarr e Rossell, seriam suficientes para jogar de acordo com as regras. Se acrescentarmos que Tobias Figueiredo esteve no banco de um dos últimos dois jogos e jogou ontem, o Sporting necessitaria apenas de apresentar quatro atletas da equipa principal. Jogou com sete. Aos cinco supracitados, junte-se Slavchev e André Geraldes. E ainda jogou Ricardo Esgaio, atleta que se divide entre as duas principais formações do Sporting.

Resumindo, Bruno de Carvalho mentiu. O homem que pretende limpar o futebol, que é a favor da transparência, mente descaradamente. Felizmente, o mentiroso já foi apanhado e, melhor ainda, foi apanhado mais depressa que alguns coxos que ainda têm tempo de jogo lá para os lados de Alvalade.