Não há dinheiro

Uns dias depois de oficializar a compra do argelino Brahimi por 6,5 milhões de euros, correspondentes à totalidade do passe do atleta, o Futebol Clube do Porto alienou 80% desse mesmo passe à Doyen Sports por 5 milhões. Este negócio avalia o passe do atleta em 6,25 milhões de euros, menos 250 milhares de euros do que aquilo que o Porto pagou pelo jogador. Ou seja, à cabeça, já estamos a perder esses 250.000 euros.

Ainda que este negócio possa envolver uma recuperação de parte do passe de Mangala, cuja oficialização no Manchester City deve estar por horas, importa analisar e perceber como o Futebol Clube do Porto se está a movimentar no mercado de transferências. Há duas coisas que sobressaem imediatamente. Uma é o facto da administração da SAD, pela primeira vez em muito tempo, estar a permitir que seja o treinador a escolher os atletas com quem quer trabalhar, o que, a não ser que aconteça uma hecatombe, como uma saída não adequadamente compensada de Jackson Martinez, fará com que Lopetegui terá um excelente plantel, cheio de soluções, o que originará que seja o único responsável caso a época corra mal, isentando Pinto da Costa (e o filho, a filha, o genro e todo o resto da família), Antero Henriques e o resto dos dirigentes. A outra é que o Porto não tem dinheiro para dar essas condições a Lopetegui (nem para mandar cantar um cego, sequer).

O facto do Porto não ter dinheiro, fruto de gastos desmesurados acumulados ao longo dos anos, não é novidade e, então, recorrer a fundos torna-se necessário, ainda para mais quando as portas da banca, por imposição da troika e devido às trapalhadas no BES estão cada vez mais fechadas. Do mal o menos, o Doyen Sports é o menos obscuro de todos estes fundos esquisitos. É o único que tem página na internet e é o único de quem se conhece a carteira de atletas. Só não se sabe a quem pertence o fundo.

O que é importante verificar é que o Futebol Clube do Porto está a apostar tudo na época que se avizinha. Faz sentido. É necessário ultrapassar rapidamente a pior época da história da presidência de Pinto da Costa e é necessário fazer uma boa campanha europeia sob pena de, muito rapidamente cairmos muitos lugares no ranking da UEFA. Assim, a solução encontrada pelo clube foi recorrer aos fundos. Com isto, o clube está a apostar tudo na vertente desportiva, abdicando da financeira. O clube, para poder ter um grande plantel hoje, está a abdicar de o ter no futuro. E o que todos tememos é que para ganharmos hoje, estejamos a abdicar de ganhar no futuro. Esperemos que não se traduza numa debandada como se vê lá para baixo, no clube que nunca mais ia ter que vender.


Cristian Tello



"O FC Porto assegurou a cedência, por empréstimo, do extremo espanhol Cristian Tello, do FC Barcelona, para as próximas duas épocas desportivas, com opção de compra, findo esse período. O jogador vai-se juntar à equipa em Horst, na Holanda, para cumprir os últimos dias do primeiro estágio de pré-temporada"

Mais um jogador por empréstimo, desta feita por 2 anos, sendo que o jogador ou o Barcelona podem decidir acabar com o empréstimo ao fim de um ano.

Mais um extremo que chega ao plantel de Lopetegui, sem dúvida um miúdo cheio de qualidade e de potencial, espero que imponha o futebol dele na nossa equipa.

Na minha opinião esta aquisição fechava o plantel a mais extremos, mas ainda dizem que pode chegar o Brahimi do Granada, de Espanha. Mas penso que o dinheiro gasto nesse jogador, podia servir para trazer um médio defensivo de grande qualidade, tipo o Clasie.
Mas o que interessa é voltar às vitórias e ser campeão em Maio.

A crise no BES e os três grandes



A recente crise no BES veio levantar algumas questões sobre a dívida a esta instituição bancária, por parte dos três grandes, Porto, Benfica e Sporting.

Historicamente, o BES é o banco português que mais dinheiro emprestou aos clubes portugueses, secundado pelo BCP. Chegou, inclusivamente, a patrocinar os três grandes. Logo, é natural que grande parte da dívida bancária dos clubes seja, precisamente, ao Banco Espírito Santo.

Dada a crise no banco, é natural que este seja obrigado a reduzir a sua actividade e, a tentar "ver-se livre" dos seus activos com maior risco. Dada a situação financeira dos três grandes, é evidente que se enquadram neste grupo de maior risco. Será, portanto, natural que o BES tente reduzir os empréstimos aos clubes.

Ainda assim, os contratos assinados são para cumprir. Logo, e a não ser que a SAD de algum dos três grandes já tenha vendido a alma ao diabo, o BES não pode, unilateralmente, obrigar os clubes a pagar antecipadamente as dívidas.

Ainda assim, há duas coisas que o BES pode fazer, que podem prejudicar o futuro dos clubes. Em primeiro lugar, o BES pode, deve e provavelmente vai fazê-lo, não conceder qualquer financiamento adicional aos clubes. Até aqui, tudo normal. O que pouca gente está a ver são as contas correntes caucionadas, ou descobertos bancários.

As contas correntes caucionadas são, grosso modo, a possibilidade que os bancos concedem a empresas para que estas tenham acesso à hipótese de terem as contas bancárias a negativo. Estes empréstimos têm, por norma, um prazo curtíssimo, com a nuance de serem, automaticamente, renovados, se nenhuma das partes se manifestar contra essa renovação.

E aqui é que a "porca torce o rabo". Se o BES não quiser renovar estas linhas de crédito, os clubes podem ser forçados a pagar as suas dívidas a breve trecho.

Analisando os relatórios e contas trimestrais, o Porto deve 10 milhões de euros nestas condições ao BES, o Benfica uns espectaculares 64,3 milhões e o Sporting uns inimagináveis 85 milhões, embora não seja divulgado quem são os credores, estes não devam fugir muito ao binómio BES-BCP.

Por aqui se vê as dificuldades que os clubes podem ter num futuro muito próximo, principalmente os rivais de Lisboa. Talvez isto ajude a explicar a pressa para vender o plantel inteiro por parte de Luís Filipe Vieira, ainda para mais quando o BES é accionista do Benfica Star Fund, que foi aldrabado no negócio Garay...


PS: Oblak diz que vai ser jogador do Atlético de Madrid. Markovic foi anunciado pela comunicação social, como reforço do Liverpool fez domingo uma semana. Foi para Liverpool na sexta e posou para fotografias com uma camisola dos "Reds". Também já se despediu do Benfica nas redes sociais. O negócio Markovic foi comunicado hoje à CMVM. De Oblak continuamos à espera. Que a CMVM faça alguma coisa.