Relatório de Emprestados. [22 e 23/03]



Bolat - Kayserispor 1 x 0 Galatasaray: Jogou os 90min.
Caballero - Penafiel 0 x 0 Marítimo B: Substituído aos 56min.
Castro - Kasimpasa 0 x 0 Trabzonspor: Jogou os 90min.
Djalma - Konyaspor 2 x 1 Bursaspor: Substituído aos 88min e fez 1 assistência . 
Iturbe - Hellas Verona 0 x 5 Sampdoria: Jogou os 90min - NOTA: 6.1
Izmaylov - FK Qäbälä 1 x 4 Inter Baku: Jogou os 90min.
Rolando - Inter 1 x 2 Atalanta: Jogou os 90min - NOTA: 6.9
Tiago Rodrigues - Vitória de Guimarães 0 x 0 Gil Vicente: Suplente não utilizado.
Walter - Fluminense 3 x 1 Volta Redonda: Substituído 72min aos  marcou 1 golo.
                                                                                                                                                     
                                                           Destaques individuais:

Djalma: Assistência (0:00) (Clique em "Hayir, tesekkürler" para ver o vídeo)


Walter: Golo (0:07)


Notas atribuídas pelo "Who Scored ?". Podem ver os stats completos aqui. (Iturbe/Rolando)

Este post foi inspirado numa ideia do antigo blog Colunazul, o qual não existe mais.

[Liga Zon Sagres] FC Porto 1-0 CF Beleneses



Num jogo morno, sem grande sabor, onde os nossos jogadores pareciam já estar com a cabeça no jogo de quarta-feira, tivemos pela frente um Belenenses que só veio com a preocupação de defender e fazer anti-jogo e um árbitro que mais uma vez quis ser o protagonista.








Defesa: Com 2 elementos novos na defesa, não houve complicações. Apanhar uma equipa mansinha como a do Belenenses ajudou, mas os nossos rapazes também não facilitaram. Mais um pormenor interessante foi os defesas já não atrasarem tanto a bola para o guarda-redes, já havia mais a preocupação de a controlar e tentar passar ao médio ou defesa mais próximo.

Substituições: Mais uma vez, a solução estava no banco. E o treinador soube fazer as substituições, soube ir atrás do único resultado que interessava e não ficou a bater palmas à espera que quem estivesse em campo resolvesse. Fez logo uma substituição ao intervalo e isso veio mudar o nosso ritmo de jogo. Mais tarde as outras duas substituições também vieram trazer outro ânimo ao ataque.







Belenenses: Vieram jogar para o empate e fazer anti-jogo, pouca preocupação tiveram em jogar à bola. Culpa para quem os treina e culpa para o árbitro que o permitiu.

Xistrema: O Xistra não sei se é só mau árbitro, ou se também gosta de prejudicar ou pelo menos tentar o FC Porto. É triste ver um árbitro internacional fazer este tipo de exibições miseráveis, onde só quer ser protagonista. Faltas por assinalar a nosso favor, qualquer toque no adversário dava direito a falta, permitiu o anti-jogo do Belenenses enquanto eles quiseram fazê-lo e ainda contribuiu para ele em alguns momentos. Mais uma vez, uma exibição desastrosa.

Tácticas: Ainda há muito para mudar na táctica da nossa equipa. Se nos anos do Vítor Pereira queríamos jogar em posse, agora não sei como queremos jogar, mas o sistema não está a funcionar. Continuam a falhar alguns passes fáceis, há muita descoordenação a meio-campo e às vezes dá a sensação que estamos a jogar no cada um por si. Ainda há muito a melhor neste aspecto.

Jackson: Está a precisar de banco, ontem então falhou golos que não lembram a ninguém. É certo que ainda meteu a bola na baliza, mas o golo foi anulado. E mais certo é que falhou uns 3 ou 4 golos "fáceis" para qualquer avançado.

No final ficou um resultado algo curto para as expectativas, mas foi bom rever o Kelvin em campo, foi bom ver substituições no timming certo e quando foram precisas. Mas é preciso um FC Porto mais consistente e mais focado.
Agora uma palavrinha para os responsáveis? da liga. Continuar a compactuar com este tipo de jogo das equipas pequenas nunca vai levar mais gente ao futebol, percebam que é só o Futebol que perde com isto. E marcar jogos para aquela hora quando na vizinha Espanha há um Clássico também não ajuda (mas os portistas também se vêem nestas horas) e os que foram para o estádio e estavam a ver o clássico espanhol ao mesmo tempo que estavam a ver o nosso jogo, oh senhores, há que ter bom senso.

E uma palavrinha aos responsáveis do Futebol Clube do Porto, estes preços para ir ver um FCP vs Belenenses não se enquadram muito na conjectura económica actual.

[Liga Europa] Nápoles 2 - 2 FC Porto


Foram 94 minutos em que 70 foram passados sentado na beira do sofá tal era a ansiedade. Um jogo sofrido, em que esta equipa demonstrou que já começa a ser capaz de manter a calma face as adversidades. 
A equipa está a crescer, os jogadores reagiram à mudança de treinador e começam a acreditar neles próprios, o troféu pode continuar a parecer longe, principalmente face à sombra de uma grande Juventus em competição, mas um Portista sabe sempre que pode sonhar porque este é o nosso Destino!

  • Fabiano: Sem margem para dúvidas o MVP. Foi graças ao "suplente" de Helton que na primeira parte do encontro a equipa Italiana não marcou em duas ou três oportunidades. Seguro, como vem sendo hábito, inabalável perante a pressão. Sente-se que os colegas de equipa confiam perfeitamente no nº dois da baliza do FC Porto.
  • Luís Castro: Após uma primeira parte pobre em que não se viu Porto, em que o meio campo não foi capaz de assumir o jogo e o ataque não teve intensidade, Luís Castro revolucionou o meio campo com a entrada de Josué - que diga-se fez mais em meia hora do que Carlos Eduardo no restante tempo de jogo - e matou o jogo com a entrada de Ghilas que sozinho baralhou a defesa do ataque Napolitano. Touché Mister!
  • Ghilas: Foi avançado, foi médio, foi defesa... o Argelino encheu o campo. Uma finalização mortífera? Ghilas... um passe a rasgar extraordinário? Ghilas... Um corte cheio de garra? Ghilas... Por várias ocasiões confundi o avançado com Danilo, apesar dos figurinos não poderem ser mais diferentes, aquelas chuteiras verde florescente naquele sector do relvado só podiam ser do defesa, ou talvez não! E porque não apostar em Ghilas a fazer de Lisandro colado à lateral no lugar de Varela?
  • A obra de arte de Quaresma: Um monumento daqueles que por si só valem o preço do bilhete! A silenciar um fervilhante San Paolo, num golo carregado de magia à imagem do criado, três ou quatro toques a terminar num remate indefensável para Reina. Apesar de ter passado grande parte do jogo a tentar o impossível e a perder bolas de forma infantil, num momento de desconcentração não perdoou. Foi Quaresma e nós gostamos!


  • Carlos Eduardo: Irreconhecível desde a lesão, não parece o mesmo jogador. É para já o mais desfavorecido com a alteração táctica imposta por Luís Castro, talvez seja tempo de passar alguns jogos no banco, não só a recuperar a forma física como também a adaptar-se a um posicionamento bem diferente daquele a que estava habituado.
  • As desconcentrações na defesa: Não podemos fugir à realidade, e a realidade é que ontem não morasse Fabiano na baliza azul e branca talvez o desfecho do jogo tivesse sido diferente, foram demasiadas as vezes em que Fabiano foi obrigado a intervir e ainda mais aquelas em que ele foi decisivo. Mangala está a voltar aos poucos ao seu melhor nível mas Reyes parece estar ainda muito verde para um nível tão competitivo quanto aquele que se exige na defesa de uma equipa como o FC Porto.
  • A falta de consistência no meio campo: Devolvida a estrutura habitual ao meio campo, agora com um trinco nas costas de dois médios interiores, o aumento de performence é notório, mesmo assim falta estabilidade, falta também entrosamento. Defour tem vindo a subir de forma, mas Carlos Eduardo ainda não encontrou o seu espaço, é importante estabilizar, ganhar confiança no passe e fazer aquilo que Luís Castro tanto pediu durante o jogo, o lugar do nosso meio campo, é acampado  no meio campo adversário.

Os oitavos já eram, venham os quartos do final. Dentro de meia hora saberemos quem será o nosso adversário, em perspectiva os piores cenários possíveis são a possibilidade de mais um Clássico ou uma visita antecipada a Turim.

Laterais suplentes, um luxo ?


Já se passam 2/3 épocas que simplesmente não temos laterais como opções válidas para  no banco de suplentes. Como explicar esses erros de planeamento que vem acontecendo época atrás de época? Já é costume andarmos a imaginar quem irá ocupar o lugar do Alex Sandro ou do Danilo caso não possam jogar uma partida. Muitos apostariam nos miúdos da B, outros apostariam nos defesas centrais e outros mais radicais apostariam mesmo na mudança de formação. E o resultado disto tudo ?

O jogo de hoje à tarde frente ao Napoli uns dos jogos mais importantes do ano é um excelente exemplo, o Alex Sandro fica de fora por causa de uma suspensão e não temos outro defesa esquerdo no plantel A para o lugar dele. O que resta? Ter que improvisar um defesa central na lateral. O encarregado dessa substituição sempre foi e imagino que sempre será, pelo menos enquanto não tivermos suplentes, é o Mangala. Eu nem desgosto do Mangala na lateral, acho que ele cumpre bem o papel, mas não faz tão bem quanto um lateral de oficio, além de que perdermos o nosso melhor defesa no centro. Vale lembrar também da escassez de ponta-de-lanças que tivemos nas últimas duas épocas. Mas afinal qual seria o motivo disto acontecer época após época esses problemas? Amadorismo, falta de verba ou pura incompetência?

Duvido que o problema seja financeiro, pois já que temos dinheiro para gastar mais de 20M nos laterais titulares ou mesmo outros 17M em dois mexicanos, em que um não calça na A e o outro não é unânime para muitos portistas e não teríamos dinheiro para gastar com pelo menos um suplente? Difícil de acreditar nisso.

Amadorismo ou incompetência? Já ficou provado que sabemos fazer boas limonadas, pegamos o plantel de 09/10 ou o de 10/11, eram planteis muito bem montados, tanto que com um fomos vencedores da Liga Europa. Logo esses também não são os problemas.

Acho estranho o facto de não apostarmos nenhuma vez essa época nos miúdos da B para o lugar. Temos lá bons jogadores como o Victor Garcia, Rafa, Quiño e mesmo o David Bruno, que para nível interno cumpririam muito bem.

O que eu imagino que ocorra lá dentro é uma má disposição ou certo falta de preocupação da SAD com a equipe principal de futebol, um certo "O que importa se ganharemos ou não? Vou continuar bem na mesma." Isso é só mais um exemplo de que na minha opinião o Porto não esta sendo geridos por portistas, mas sim por empresários que pouco importa o resulto dentro de campo, desde que para eles esteja tudo bem. E é neste caminho que temos "escorregado" cada vez mais ladeira abaixo e se nos tornado uma equipe cada vez mais fraca.
Está mais do que na hora da SAD acordar e ver que estão fazendo coisa errada, pois não podemos nos habituar a só ficar reclamando de arbitragem e etc, se não estamos fazendo por merecer em campo.

NOTA: Texto escrito em Português-BR.

O Filho do Presidente

Alexandre Pinto da Costa, nascido em 1964, é filho do nosso eterno Presidente, Jorge Nuno Pinto da Costa. Sempre foi conhecido, no mundo do futebol, como representante de atletas.

Tornou-se mais famoso aquando de uma zanga com o pai, por, na altura, ser colaborador de José Veiga, também agente de atletas, antigo presidente da Casa do Porto do Luxemburgo e, posteriormente, dirigente do Benfica. Esta zanga, ocorrida na viragem do século, sensivelmente, teve como principal repercussão pública, o envio do atleta Miklos Feher para a equipa B portista, precisamente por ser representado por Veiga e Alexandre Pinto da Costa.

Entretanto, nos últimos anos, Alexandre Pinto da Costa reconciliou-se com o pai e voltou a aproximar-se do Futebol Clube do Porto. Em julho de 2012 criou a empresa de agenciamento de atletas Energy Soccer e, entretanto, mesmo sem ter qualquer cargo no Porto, representou o clube numa visita a uma delegação oficial do mesmo.

Muitos são os boatos que circulam pela internet sobre as reais intenções de Alexandre Pinto da Costa. Todavia, aqui, no Mística, cingir-nos-emos aos factos disponíveis na internet. Uma consulta rápida à página online da Energy Soccer permite aferir que, ao contrário da maioria das páginas de empresas da área, a lista dos atletas agenciados não é divulgada.


Assim, é necessário recorrer ao ZeroZero, para conseguir identificar a, refira-se, curta carteira de atletas da Energy Soccer, que, acreditando na fonte, para além de diminuta, tem apenas dois atletas de renome, Rolando e Alvaro Pereira.


Continuando a analisar o site da Energy Soccer, verificamos que a empresa apenas noticia três negócios. Estes três negócios têm um ponto em comum, foram todos efectuados entre equipas italianas e o Porto. Estes negócios são os empréstimos de Rolando a Nápoles e Inter de Milão e a venda de Álvaro Pereira a este último clube. Todas as outras notícias visam relatar encontros de Alexandre Pinto da Costa com figuras do futebol internacional, como Harry Redknapp.

É evidente que, com base nestes factos, a empresa de Alexandre Pinto da Costa sobrevive à custa de negócios com o Futebol Clube do Porto, presidido pelo seu pai. Passando a parte ética da questão à frente, subsiste a dúvida: quanto custará tudo isto aos depauperados cofres da nossa SAD?

Fica a questão para quem de direito.

Relatório de Emprestados. [15, 16 e 17/03]


Bolat - Kayserispor 2 x 0 Bursaspor: Jogou os 90min.
Caballero - Penafiel 3 x 1 Santa Clara: Substituído aos 90+2, marcou 1 golo e sofreu 1 penalty.
Castro - Kasimpasa 1 x 1 Genclerbirligi: Jogou os 90min e recebeu 1 cartão amarelo.
Djalma - Konyaspor 0 x 1 Gaziantepspor: Jogou os 90min.
Iturbe - Hellas Verona 0 x 2 Inter: Jogou os 90min - NOTA: 7.6
Izmaylov - FK Qäbälä 1 x 1 Baku FK: Suplente utilizado aos 46min.
Rolando - Inter 2 x 0 Hellas Verona: Jogou os 90min - NOTA: 7.3
Tiago Rodrigues - Vitória de Guimarães 1 x 2 P. Ferreira: Suplente não utilizado.
Walter - Fluminense 1 x 1 Vasco: Suplente utilizado aos 45m.
                                                                                                                                                     
                                                           Destaques individuais:


video

Caballero: Golo (0:02)


Notas atribuídas pelo "Who Scored ?". Podem ver os stats completos aqui. (Iturbe/Rolando)

Este post foi inspirado numa ideia do antigo blog Colunazul, o qual não existe mais.


[Liga Zon Sagres] Sporting 1 - 0 FC Porto


Hoje escreveu-se aquele que era o fim anunciado da luta pelo Tetra Campeonato para o FC Porto. Se poucas razões restavam para acreditar no possibilidade do título também essas terão agora caído por terra. Resta apenas o espaço para a luta - difícil - por um segundo lugar que garanta com segurança um lugar na Liga dos Campeões 14/15.
Quanto ao jogo propriamente dito seguem os menos e mais do Clássico em Alvalade:



  • Ricardo Quaresma: Um fora de sério, um génio incompreendido. Durante a primeira parte ainda foi capaz de remar contra a maré, mais que isso não foi possível. A deixar Cedric com pesadelos foi claramente o melhor jogador do Porto na primeira parte. Depois e com uma segunda parte em que a equipa parece que não chegou a sair do balneário, desapareceu tal como o resto da equipa.
  • Fernando: Uma expulsão que não entra na cabeça de ninguém, não mancha uma exibição soberba. É a única referência de um meio campo que em tempos tão próximos era temível e a engrenagem principal de uma tricampeão nacional. Sozinho não deu para mais, mas conseguiu durante largos minutos quase fazer esquecer o eclipse total de Danilo.
  • O discurso de Luís Castro: Curto e grosso, no fim do jogo disse aquilo que passa pela cabeça de todos os portistas.


  • Abdoulaye: A fotografia do jogo de Abdo é tirada no momento do golo do sporting. Slimani cabeceia isolado sem qualquer oposição com o central azul e branco a três metros a olhar em volta à procura daquilo que se havia esquecido. Incompreensível e intolerável para uma equipa de mais alto nível que se espera que o FC Porto seja.
  • Danilo: Simplesmente não dá. Ofensivamente pouco acrescentou ao futebol da equipa, defensivamente foi inexistente. Incompreensível, ou talvez não, o desaparecimento que acontece à frente dos nossos olhos de Danilo e Alex Sandro ao longo da presente temporada. Porém e olhando para o banco parece fácil o diagnóstico do problema, não se compreende como é que uma equipa como o FC Porto não possui uma alternativa no banco aos defesas laterais titulares.
  • O nervosismo e a incapacidade de gerir as emoções: Os jogadores do sporting multiplicavam-se no relvado enquanto os nossos jogadores se pareciam encolher e trocavam a bola como quem passa a batata quente ao colega do lado. Faltou futebol e faltou segurança. É importante reabilitar esta equipa e cada um dos jogadores jogadores, manter presente a importância de recuperar todos os activos disponíveis a pensar no assalto à próxima temporada.
  • A lesão de Helton: Se se consumar um problema no tendão de Aquiles é caso para esperar o pior e se por um lado Fabiano transpira confiança, há algo de insubstituível em Helton que fará muito falta numa época em que a equipa ficou órfã do seu Comandante.

Por fim fica uma breve nota à pobre exibição do "melhor árbitro do mundo". O critério de Proença empobrece o futebol mundial, o exagero da atribuições de cartões amarelos em nada protege os jogadores, por outro lado torna o jogo de futebol um palco condicionado para o espectáculo que se espera ver. 
Para além disso fica a nota à forma brilhante como foi condicionada a exibição da equipa de arbitragem por um movimento de "Basta!", ou então de "Farsa!". Aguardo confortavelmente no meu sofá pelas declarações indignadas do Querubim da Verdade Desportiva, Bruninho, o "Valentão" pela atribuição dos três pontos à sua equipa em resultado a um erro escandaloso da equipa de arbitrágem.

O Sistema


Todos se recordam do momento em que Dias da Cunha engoliu uma cassete e, à boa maneira comunista passou anos e anos a repetir a mesma conversa. Dias da Cunha alegava que Pinto da Costa e o Futebol Clube do Porto tinham um esquema montado, o dito sistema que lhes permitia ganhar quase sempre. E era verdade. Embora Dias da Cunha já na altura aparentasse ter dificuldades em raciocinar condignamente, tinha razão. O Porto habituou-se a ganhar jogos com os melhores jogadores, treinadores e dirigentes. Era este o sistema.

Todavia, esta temporada, voltou a surgir um sistema. Um sistema que, à imagem do seu criador, é bastante amplo e visa obter benefícios à custa de inaceitáveis pressões públicas. O sistema montado por Bruno de Carvalho visa, através de entrevistas, comunicados, conferências de imprensa e publicações no jornal semanal que o Sporting dedica ao Futebol Clube do Porto, obter dividendos junto dos órgãos de poder do nosso futebol. Para tal, o Sporting, na pessoa do seu presidente ameaça, pressiona, critica veementemente, provoca gratuitamente tudo e todos.

Recorde-se que, em vésperas da decisão do caso Bruma, Bruno de Carvalho deu uma entrevista a pressionar. Poucos dias antes das duas datas marcadas para a decisão da Taça da Liga, o presidente do Sporting deu uma entrevista a pressionar. O presidente do Sporting quis ser recebido de forma hostil no Dragão, provocando os tristes acontecimentos que sucederam antes da partida. O Sporting tem impedido adeptos de diversos emblemas de levarem equipamento e material de apoio aos seus clubes para Alvalade. O Sporting ameaçou jogar a Taça da Liga com juniores.

No entanto, esta semana, as coisas atingiram proporções desmesuradas. Depois de uma conferência de imprensa inflamada, ridícula e que, a título de curiosidade começou com 10 minutos de atraso, o Sporting tem poluído a comunicação social com um absurdo choro calimeriano, que culminou com uma triste ameaça de queixas nos tribunais contra os árbitros que prejudicaram, supostamente, o Sporting. Mas só estes, que os "bandeirinhas" que fecharam os olhos aos inúmeros golos em fora-de-jogo de Montero são pessoas de bem. Mais, o Sporting ameaça pedir uma indemnização.

[Liga Europa] FC Porto x Nápoles


Uma grande noite, um grande jogo, um resultado curto e em que só foi tão magro graças a dois intervenientes essencialmente. Um Reina em grande forma e uma equipa de arbitragem que esteve em destaque pelas piores razões.
Fica na retina um FC Porto que numa semana reteve mais do DNA do futebol de Luís Castro do que durante meses de Paulo Fonseca. 








  • Um jogo de liga dos Campeãoes: Um grande jogo de Liga Europa, Possivelmente o melhor da Jornada. Duas grandes equipas, duas equipas que em condições normais são fortes candidatas a arrecadar o troféu. É verdade que existe um Juventus que não pode ser esquecido nem tão pouco ignorado, mas não haverão muitas equipas em Competição capazes de proporcionar um bom espectáculo como FC Porto e Nápoles. Em terras Italianas a recepção será "calorosa" e a missão longe de ser fácil, mas é preciso assumir a confiança, que sem ser cega, é inequívoca!
  • Redes invioladas: Ao fim de seis jogos consecutivos a sofrer golos, eis que no momento mais importante a equipa soube dar a devida resposta. A estabilidade vai começar a tornar-se uma realidade se os jogadores manterem os actuais níveis de concentração, e vitórias dão origem a mais vitórias e a um maior conforto da equipa dentro de campo. Apesar de tudo fica a nota para o início da segunda parte em que a equipa durante alguns minutos perdeu o Norte e onde valeu S. Helton...
  • Os Guarda-Redes: Padroeiro das Más Horas, no entanto não foi o único Guarda Redes a brilhar ontem à noite no Dragão. Para a nossa infelicidade, Reina foi ontem um Homem feliz, mesmo quando a habilidade lhe faltou, o poste fez o seu trabalho, valeu o golo de Jackson, o de Carlos Eduardo nem tanto, mas a verdade é que se não fosse o guardião da equipa Napolitana, o desfecho poderia ter sido bem mais interessante.
  • Quaresma: Porque se alguém ainda tinha dúvidas, a cada jogo que passa terá mais provas que Quaresma está cá porque quer, para fazer o que mais gosta e está longe de estar arrumado para o futebol de mais alto nível. Estás feliz Harry Potter? Nós também!
  • Defour: "Onde andaste tu?" "Isto são horas de chegar?" "Já cá devias ter chegado há uns bons meses!" Defour está de saúde e recomenda-se. Não é Moutinho mas é Defour, e está num excelente momento de forma, é para continuar, nesta altura o lugar é dele sem espaço para ser beliscado. Dinâmico, rápido (na verdade, nos últimos meses parecia que jogava com um peso amarrado aos pés) e eficaz.
  • A coragem das substituições feitas a tempo e horas: Ghilas a jogar mais do que 5 minutos? Quintero durante meia hora? Gozar das três substituições? Uffa... que saudades. 




  • Varela e Carlos Eduardo: Parecem para já, aqueles que estão a sofrer pela negativa com a chegada de Luís Castro ao comendo da equipa. Duas exibições menos bem conseguidas por ambos os jogadores não sinal de crise, mas Quintero e Ghilas espreitam por um lugar e Luís Castro não parece ter receio em dar uma oportunidade aos "suplentes".
  • As deslaterais: Alex Sandro fisicamente esgotado, Danilo a parecer perdido. Os nossos laterais já realizaram melhores exibições. Numa época em que o eixo defensivo da equipa apresenta a maior instabilidade de pelo menos os últimos 20 anos, pedia-se que os laterais mais caros da história do clube contribuíssem para o balanço do sector.
  • As desconcentrações constantes: O ritmo aumentar, a concentração também, tal como a coesão, mesmo assim, e individualmente, a instabilidade emocional paira no ar. Momentos de aperto escusados, oriundos de falhas individuais. Há um longo caminho para percorrer, e sendo realistas, ninguém espera milagres, mas restam 20 finais pela nossa frente que por mais distante que esteja o prémio mais apetecido, ainda há muito para ganhar esta temporada, e nós acreditamos.


Este fim de semana luta-se pelo segundo lugar, estando o primeiro lugar muito longe, é preciso lutar pelo segundo e demonstrar que mesmo esse segundo lugar foi um mero erro de percurso. Para o ano o título terá que voltar a casa e esse trabalho já está a ser feito.

#contigoatéaofim #somosporto

[Liga Europa - Antevisão] FC Porto x Nápoles

Luís Castro - "Somos favoritos à conquista da Liga Europa"

Ricardo Quaresma - "Venha quem vier é para derrubar"

É o tipo de discurso que falta este ano na equipa e no Futebol Clube do Porto, não vale a pena andar aqui com grandes análise de pré-jogo, porque só logo é que realmente vamos ver se o discurso também passa dentro de campo, mas para já gosto deste tipo de ambição.

Um vídeo de promo do jogo, que mesmo feito por um adversário, vale a pena ver.

Boa sorte Campeões. SOMOSPORTO

As contas que ninguém fez


No passado dia 28 de fevereiro de 2014, as SAD dos três maiores clubes desportivos nacionais, FC Porto, Benfica e Sporting publicaram os seus Relatórios & Contas referentes ao primeiro semestre do ano fiscal, compreendido entre 1 de julho e 31 de dezembro de 2013. A comunicação social deste país, sempre tão solicita a fazer interpretações erradas destes relatórios, noticiou amplamente os maus resultados das SAD e os seus passivos astronómicos, metendo, neste caso, o Futebol Clube do Porto no mesmo "saco" dos rivais. Estranha-se, portanto, que a grande novidade destes relatórios tenha passado completamente em claro, sem qualquer menção e sem qualquer análise, que é a inclusão da BenficaTV nas contas do Benfica e o seu impacto nestas, bem como a necessária comparação com a situação anterior, quando os jogos do Benfica estavam alienados à Olivedesportos.

Se os jornalistas deste país tivessem tido o cuidado de ler a informação divulgada pela SAD do Benfica compreenderiam que, até à data, (e reconheça-se que o projecto ainda é muito recente), o negócio não está a ser bom para os cofres vermelhos. O clube anuncia logo no início do relatório, (ver imagem em baixo) que adquiriu o capital da BenficaTV e, como tal, integrou o canal nas suas contas pela primeira vez.


Com base nesta informação é extremamente fácil fazer uma comparação entre o aumento de rendimentos e de gastos entre as contas do Benfica com os jogos na BenficaTV e as contas com os jogos na Sporttv. De facto, como é visível na imagem abaixo, o relatório é claro ao anunciar que os gastos operacionais da SAD aumentaram 5 milhões com a inclusão da BenficaTV nas contas.


Por outro lado, as receitas de TV aumentaram cerca de 7 milhões de euros, como é visível no quadro abaixo:


Isto significa que, para uma situação em que registou 4,375 milhões de euros de receitas de televisão, pagas pela Olivedesportos, e nenhum gasto referente às transmissões televisivas, o que dá um saldo de 4,375 milhões de euros, o Benfica passou a ter receitas de 11,372 milhões de euros e gastos de 5 milhões, o que dá um saldo de 6,372 milhões de euros. Grosso modo, pode concluir-se que o Benfica, com esta operação, lucrou dois milhões de euros.

Notemos agora que o Benfica comunicou à CMVM a recusa de uma proposta de 111 milhões de euros da Olivedesportos pela cessão dos direitos de transmissão por 5 épocas desportivas, o que dá cerca de 22 milhões de euros por temporada. Assim, no primeiro semestre, o Benfica poderia ter recebido, da Olivedesportos, um valor muito semelhante àquele que recebeu por ter os jogos na BenficaTV, sem, no entanto, ter tido a necessidade de registar 5 milhões de euros de gastos. Assim, é possível concluir que, a inovadora ideia do Benfica fez com que o clube tivesse deixado de ganhar 5 milhões de euros no primeiro semestre da temporada 2013/2014.

Curiosamente, ou não, ninguém, no Benfica, clube com uma excelente máquina de propaganda, se veio gabar do excelente resultado da BenficaTV. Nenhum dos jornalistas dos vários meios de comunicação social do clube, sejam oficiais, ou oficiosos, escreveu as tradicionais loas à "brilhante" gestão de Luís Filipe Vieira e às suas inovadoras ideias, bem como, a propósito, se esqueceram de destacar convenientemente, o pagamento dos direitos de formação do malogrado Miklos Feher ao Futebol Clube do Porto, depois de um calote de dez anos, ou os motivos da renúncia do Revisor Oficial de Contas. Nada de nada.

É triste quando tem que ser um blog a relatar estes factos, que estão à vista de qualquer pessoa.

O que dizer da entrevista de Bruno de Carvalho


Coitado, um chorão.
O que não conseguem há muito, muito tempo por demérito, só conseguem culpar os árbitros pelos insucessos e não conseguem ver que dá muito mais trabalho do que isso ser campeão e sê-lo por vários anos e têm de ter muito estofo para aguentar muita coisa, especialmente aturar a propaganda do clube do regime e tudo daí associado.

Agora compete-nos chegar ao 2º lugar, pelo menos, e isso começa já no próximo domingo no estádio do chorão.
Mas parece-me que o espectáculo para condicionar a arbitragem já começou e a propaganda que esta semana se vai viver com os pasquins da capital também vão ser todos nesse sentido.

Sem mais para dizer a respeito deste assunto, porque não vale muito alongar-me, porque quem falou não merece muita atenção, despeço-me dizendo que agora, mais do que nunca temos de estar com a nossa equipa e com o nosso clube.

SOMOSPORTO


Relatório de Emprestados. [08, 09 e 10/03]


Bolat - Kayserispor 1 x 2 Gaziantepspor: Jogou os 90min.
Caballero - Penafiel 1 x 1 SC Braga B: Suplente utilizado aos 54min, marcou 1 golo e recebeu 1 cartão amarelo.
Castro - Kasimpasa 0 x 0 Elazigspor: Jogou os 90min.
Djalma - Konyaspor 0 x 1 Erciyesspor: Jogou os 90min.
Iturbe - Hellas Verona 0 x 2 Parma: Jogou os 90min.
Rolando - Inter 1 x 0 Torino: Jogou os 90min.
Tiago Rodrigues - Vitória de Guimarães 1 x 2 Marítimo: Suplente não utilizado.
Walter - Fluminense 2 x 2 Duque de Caxias: Jogou os 90min, marcou 1 golo e recebeu 1 cartão amarelo.
                                                                                                                                                     
                                                           Destaques individuais:
Caballero: Golo (1:25)


Walter: Golo (4:45)


Este post foi inspirado numa ideia do antigo blog Colunazul, o qual não existe mais.

[Liga Zon Sagres] FC Porto 4 - 1 Arouca


 Foi um teste simples, no entanto ultrapassado com algumas dificuldades. Uma boa primeira parte com especial enfoque para os primeiros 30 minutos, e uma segunda parte com duas partes, AQ e DQ, ou seja Antes de Quintero e Depois de Quintero. A equipa pareceu dar ouvidos ao apelo do seu novo treinador, apesar da insegurança do início da segunda parte, foi uma equipa com "mais cabeça" e mais disciplinada a que entrou em campo ontem à noite. Foi a primeira de 21 finais, e nós no Mística também estaremos "contigo até ao fim!"



  • Defour: Um jogão! Muito mais próximo da grande área do que habitual, a pensar rápido e a decidir bem. Dos melhores jogos esta temporada, a colocar um ponto de interrogação no meio campo para o resto da temporada. Com Fernando nas costas, torna-se um jogador mais tranquilo, falha menos passes, contribui muito mais para a progressão e para um aumento da intensidade de jogo. Face ao Nápoles, e contra uma equipa que representa uma verdadeira ameaça terá provavelmente a oportunidade de demonstrar se o lugar é dele.
  • Quintero: Sou contra os adeptos que querem ver Quintero jogar a toda a força. A teimosia em tentar por vezes resolver tudo sozinho, a falta de critérios e inteligência são por vezes desesperantes, no entanto é inegável a qualidade, o talento e o potencial de Quintero. Num dia sim, como ontem, é capaz de entrar e agitar o jogo sozinho. É capaz de restabelecer a estabilidade à equipa ao colocar a defesa adversária em sentido. Esperemos que seja para continuar e que muito em breve me junte ao lote de adeptos que exige um Quintero indiscutível no onze.
  • Luís Castro: Uma nota positiva, mas muito comedida. É cedo, muito cedo, para qualquer ilação, assim para além da óbvia inversão do triângulo e de um futebol mais seguro jogado de pé para pé, fica uma nota para o entusiasmo e o fervor com que se viveu o jogo no banco de Luís Castro. Há muito se sabe que os adeptos no Dragão não gostam de treinadores apáticos no banco, não é por si só um sinal de qualidade ou falta dela, mas a verdade é que tanto Co Adrianse - num passado relativamente recente - como agora Paulo Fonseca, foram alvo de críticas pela falta de entusiasmo com que viviam o jogo.



  • O medo e a instabilidade: Não tenho memória, num passado recente, de uma equipa do Porto com tanto receio e instabilidade emocional. O síndroma da vantagem é uma ameaça constante ao virar da esquina. Na verdade, quase que dou por mim com receio de ver a equipa marcar, tal é a regularidade com que ao golo se segue a insegurança. A defesa parece desconcentrada, o meio campo perde intensidade, o os jogadores mais ofensivos desligados do resto da equipa.
    Estará na neutralização deste problema a chave do sucesso do FC Porto de Luís Castro. Se o Campeonato está perdido, existem 3 taças em competição, se a Liga Europa não é uma obrigação, a Taça de Portugal e a Taça da Liga deverão ser encaradas como tal. Assim, os próximos dois jogos serão decisivos, exige-se uma equipa mais serena e que sejam desenvolvidas as competências necessárias para que a equipa seja capaz de gerir um resultado sem que para isso abdique de jogar um futebol positivo e na busca do mais golos.
  • O sangue quente de Quaresma: É contra-procedente atribuir uma nota negativa a um jogador que marca metade dos golos da equipa, assim dirijo esta nota não a Quaresma mas sim ao seu feitio. Na segunda grande penalidade, quando se dirigia para a marca de grande penalidade e na sequência dos atritos nos quais o jogador esteve envolvido minutos antes, tive a certeza que Quaresma iria falhar a grande penalidade. Não é a falta de qualidade mas sim a falta de capacidade em gerir o seu espírito irreverente. Exige-se de um jogador com a experiência de Quaresma, a capacidade de passar ao lado de provocações. Com tão poucos jogos no campeonato, e para um extremo, não se compreende que já some 4 cartões amarelos.

Esta semana é semana de Liga Europa, em casa e frente a um Nápoles a fazer uma temporada interessante é importante uma equipa concentrada e capaz de colocar de lado o fantasma dos últimos meses.

Oficial: Paulo Fonseca deixa o comando dos Dragões, e é substituído por Luís Castro



Comunicado integral:

Nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248º, nº1 do Código dos Valores Mobiliários, a FUTEBOL CLUBE DO PORTO –
FUTEBOL, SAD vem informar que, em reunião havida esta manhã acordou com o treinador da sua equipa principal de futebol, Senhor Paulo Fonseca, a cessação das suas funções.

Foi ainda decidido pelo Conselho de Administração que a função de treinador da equipa principal de futebol é assumida, interinamente, pelo treinador da equipa B, Senhor Luís Castro.

O Conselho de Administração



É oficial, Paulo Fonseca já não é mais o treinador do FC Porto, sendo assim substituído por Luís Castro até ao final da época.

Não se exigem títulos a Luís Castro, exige-se sim entrega, dedicação e estabilidade. O campeonato está extremamente difícil, mas ainda estamos presentes na Taça de Portugal, Taça da Liga e Liga Europa. 

Toda a equipa da Mística do Dragão deseja a melhor das sortes ao Sr. Luís Castro para este final de época e votos dum bom trabalho.

E assim tudo fica na mesma


Paulo Fonseca não sai até ao fim da época, é a minha convicção. Se não saiu até agora, já não deve sair e como tal, a culpa já não é só dele.
Óbvio que de início a culpa foi toda dele, mas agora a principal responsabilidade recai sobre a SAD e o seu presidente.
Uma estrutura administrativa que gosta do que está a ver, dos resultados que se está a obter e de todos os recordes que estão a ser batidos, têm de ser responsabilizados por este desastre e por não lhe porem um termo.
Por mais que já nos tenham dado, é inegável que já nos deram mais do que provavelmente outros nos darão, acho que não estão no direito de não ouvirem os adeptos no que toca a este assunto, está a ser um ano mau demais para todos nós.
Não sei quantos recordes negativos ainda vai ser preciso bater para que se perceba que esta equipa técnica, que nem cá queria estar, já não funciona. Ainda temo com os resultados negativos que ainda poderão vir daqui para a frente, importa não esquecer que ainda vamos jogar a alvalade, pelo menos uma vez à luz, receber o benfica 2 ou 3 vezes, há a Liga Europa onde se podia ganhar alguma coisa, mas não, vamos continuar com o que temos e assim não vamos a lado nenhum, a meu ver.
Vamos andar a sofrer pelo 3º lugar até ao fim da época e ainda podemos vir a ser humilhados pelos adversários directos, vamos sair da Liga Europa pela porta pequena e com uma quantidade de recordes negativos batidos, o nosso estádio está a cada jogo que passa mais vazio.
E a partir daqui o calendário não vai dar mais espaço para mudanças, seja para o bem ou para o mal e certamente que o Presidente não quererá tomar a 32ª decisão importante.

Um treinador novo poderia trazer outra ambição à equipa, outra atitude e outra garra. Ninguém lhe pediria que ganhasse o campeonato, mas gostaríamos que tivessem uma palavra a dizer nas taças que estamos a disputar e garantissem o 2º lugar do campeonato, talvez fossem ambições a mais e como tal, a SAD não queira elevar expectativas e portanto não muda.

E agora resta-nos esperar e ver como é que isto acaba, esperemos que não acabe com uma ou mais humilhações tremendas.

E era preciso mais disto e de jogadores de outros tempos:




Mais um domingo triste



O Futebol Clube do Porto deixou-se empatar em Guimarães depois de estar a ganhar por dois golos de diferença. Foi mais uma exibição triste, sem lógica, sem rumo, sem quase nada, com a excepção do duplo-pivot.

Paulo Fonseca continua, assim, a esgotar todos os poucos créditos de que ainda dispõe. Neste momento, já só a teimosia da SAD, essa sim, a principal responsável pelo estado a que chegamos, mantém Paulo Fonseca no comando da nossa equipa. O campeonato está perdido, esperemos que a SAD não cometa mais uma asneira que ponha em causa todas as outras competições.

Nós, os adeptos é que, realmente, sofremos com isto tudo. Senhores da SAD, ao menos, respeitem isso.